domingo, 18 de janeiro de 2009

A nova sensação do cinema Indie?

O Ante-Cinema está sempre à procura de novas promessas cinematográficas. E uma coisa que tem acontecido, e bem, ano após ano, é a descoberta de alguns filmes independentes que chegam até nós com um sucesso bastante considerável. E se essa viagem para o sucesso começa com um modesto orçamento, actores em fase de ascensão, e na aposta em novos realizadores e argumentistas, o que tem vindo a acontecer é que estas simples apostas acabam também por ir parar aos Oscars. Se não vejamos: Little Miss Sunshine em 2007. Cativou o público de todo o mundo, inclusive a Academia que distinguiu o filme com dois Oscars (Melhor Actor Secundário e Melhor Argumento Original). Na cerimónia do ano passado mais um filme independente fez furor. Juno recebeu um importante Oscar também na categoria de Melhor Argumento Original, levando a sua argumentista Diablo Cody ao estrelato. Dentro deste patamar podemos ainda lembrar-nos de Crash, o filme sensação de Paul Haggis, que acabou por ganhar o Oscar de Melhor Filme em 2006.

Conclusões à parte, após o visionamento do excelente trailer de 500 Days of Summer que apresentamos em baixo, muita coisa poderá estar para acontecer. Após ter sido apresentado ontem em Sundance, festival que abriu na passada quinta-feira, as primeiras críticas começaram a surgir e a apaixonar os mais variados cinéfilos que por lá passaram. Um dos que fala já com total entusiasmo sobre este filme é Alex Billington do site Firstshowing.net: "There's a little indie film called 500 Days Of Summer from music video director Marc Webb that has already nestled itself in the hearts of a handful of moviegoers... Sure to become one of next year's big indie hits.". Está assim encontrado uma das grandes promessas para este ano de 2009.

Realizado pelo estreante Marc Webb, 500 Days of Summer conta no elenco com Zooey Deschanel, Joseph Gordon-Levitt e Clark Gregg. O filme tem estreia marcada nos Estados Unidos para o dia 29 de Julho. O primeiro trailer em baixo.



Ante-Cinema#

5 comentários:

Fifeco disse...

Fernando, por acaso referiste algo em que eu já tinha pensado, mas noutra circunstância. Até que ponto todos os indies que referiste mereceram realmente os Oscar?

São assim tão bons quanto isso? Eu considero-os bons (sem dúvida) mas daí a vencerem os prémios que venceram já não sei mesmo. Parece que se torna obrigatório, ano após ano, ter um indie entre os nomeados e a nova tradição é que ele ganhe a estatueta por "Melhor Argumento Original". Uma coisa é destacá-los. Outra coisa é ser injusto com os outros intervenientes. A ver vamos se a tendência se confirma este ano com o "Slumdog Millionaire" por ex.

Abraço

Anita disse...

Bem eu acho que todos os que mencionaste mereceram as indicações e vitórias pois além de serem todos eles grandes filmes trazem ainda consigo uma lufada de ar fresco e são pautados por grandes interpretações.

E, tudo leva a crer que Slumdog Millionaire irá manter o nível!!
Quanto a este, pelo trailer parece-me prometedor:)

Fernando Ribeiro disse...

Fifeco,

Eu sou da opinião que não se pode julgar os filmes pelo seu elitismo. Sejam indies ou blockbusters, tanto uns como outros podem ser bons filmes. E, por exemplo, todos estes filmes aqui referidos foram dignos vencedores dessas categorias dos Oscars. Até mesmo Crash para Melhor Filme. Não é uma questão de ser obrigatório todos os anos aparecer um indie. Apenas trata-se de fugir um pouco à normalidade que o cinema se tem tornado, para aparecerem obras que nos fazem sentir que o cinema é mesmo assim: um conjunto de variedades tanto artísticas como produtivas.

Grande abraço.


Anita,

Também sou dessa opinião. Quanto ao Slumdog Millionaire, apesar de todos os prémios que tem ganho, ainda é ver para crer.

Beijinho.

Fifeco disse...

Sim, eu também acho que não se pode ser elitista. Mas por vezes parece que é isso que a Academia parece ser. Eu gostei do Little Miss... mas não achei o argumento bom o suficiente para vencer a estatueta. Não sou elitista. Apenas não considero esses filmes tão bons quanto os proclamam.

Mas lá está, é só uma opinião.

Fernando Ribeiro disse...

Fifeco,

Não quis dizer que és elitista, apenas referi como é que eu acho que se deve tratar sobre esse assunto que levantaste. Ao contrário de ti, adorei Little Miss Sunshine, em todos os sentidos. Foi um dos filmes mais cativantes desse ano e um filme que me apaixonou pela sua essência e naturalidade. Mas talvez concorde contigo que um Oscar para Alan Arkin não estava nada à espera.

Obrigado pelas tuas opiniões.

Abraço.