domingo, 1 de fevereiro de 2009

Mandylord of the Movies: Sessão Tripla

Na passada quinta-feira do dia 22, dia de estreias, cometi uma daquelas loucuras memoráveis. Decidi fazer uma coisa que já não fazia há algum tempo: as chamadas sessões triplas!

Com a qualidade dos filmes a aumentar consideravelmente por terras D’el Oscar, e depois de saírem os nomeados, aqui o Costas não hesitou em desembolsar 12€ para ver os três filmes que estrearam nesse dia, que vinham com o cunho de nomeação para várias categorias da próxima edição dos prémios da Academia.

MENU DO DIA


Entrada: Frost\Nixon

Expectativa: Esperava com toda a certeza que fosse mais um daqueles thrillers políticos que, na maioria das vezes, deixam as pessoas completamente à nora, não só pelo desconhecimento que temos por alguns acontecimentos políticos dos Estados Unidos, mas também por não ser propriamente um fã dos filmes realizados por Ron Howard.

Veredicto: Para minha surpresa, este foi dos melhores filmes políticos de que tenho memória, e também dos mais inquietantes, intrigantes, e interessantes que vi nos últimos tempos. Frost\Nixon tem uma realização bastante competente de Ron Howard, apesar de não apoiar a sua nomeação, uma vez que Clint Eastwood ficou de fora. O elenco é muito bom, principalmente no que toca ao actor Frank Langella. O veterano desempenha um papel inesquecível como Richard Nixon e abre portas a uma luta pelo Oscar de Melhor Actor Principal, que penso ser uma das categorias mais renhidas desde a de Melhor Actor Secundário da edição de 2000.

Nota Mandylor: 8\10


Prato Principal: Vicky Cristina Barcelona

Expectativa: Sinceramente, esperava um filme ao bom estilo de Woody Allen. Não esperava de todo um filme polémico, como se andou por aí a publicitar, até porque Allen só se deixa ser polémico até certo ponto. Seguramente um filme cheio de diálogos saídos da criatividade mágica do realizador, a que se junta um elenco luxuoso. Javier, Penélope, Scarlett, e a interessante Rebecca Hall.

Veredicto: De acordo com as expectativas, Vicky Cristina Barcelona, é um filme leve, divertido, e completamente normal no que toca aos padrões polémicos. Javier Bardem muito bem, Scarlett Johansson regular, e Penélope notável. A actriz madrilena, quando entra em cena, transforma completamente o ritmo do filme, levando o espectador mais carrancudo à gargalhada. A interessante Rebecca Hall, até porque também entra em Frost\Nixon, é uma actriz a observar em projectos futuros. Woody irrepreensível, vai fazendo o seu joguinho entre o filme mais dramático (Match Point, Cassandra’s Dream), e a comédia leve (Scoop, Vicky Cristina Barcelona). Longe do seu cinema mais memorável com este Vicky Cristina Barcelona, Allen vai equilibrando bem a equação, gerindo a sua carreira de forma a poder fazer pelo menos um filme por ano.

Nota Mandylor: 7\10


Sobremesa: Defiance

Expectativa: Esperava um filme no mínimo ao bom estilo de Edward Zwick. Cenários gloriosos, uma grande direcção de fotografia, e uma banda sonora espectacular. Com Daniel Craig no principal papel, o seu talento e capacidade poderia ser aqui confirmado. Contudo, as suspeitas de que este filme não seria um grande triunfo, eram mais fortes que a vontade em acreditar o contrário. Ver para crer.

Veredicto: Suspeitei, vi, confirmei. Defiance é, pura e simplesmente, fraco. Para além de fraco, foi preciso um sacrifico estar sentado durante 2.30h a ver um filme com elementos cinematográficos e narrativos tão batidos. Isso misturado com a interpretação de Daniel Craig e Liev Schreiber, dá um resultado mesmo mau. Confirma-se aqui que Daniel tem talento para Bond, mas no que toca a segurar um filme como actor principal, em que ainda por cima tem o terrível Liev Schreiber a fazer dupla com ele… Já perceberam certo? Para não falar de todos os personagens do filme, que roçam o super-cliché. A única coisinha que ainda se safa é a banda sonora de James Newton Howard, que está nomeada para o Oscar de Melhor Banda Sonora, e uma ou duas cenas do Jamie Bell, uma vez que nem a fotografia do português Eduardo Serra está boa. Edward Zwick está irreconhecível e deixou-me com sérias dúvidas de que está mentalmente bem. Um realizador com o seu currículo, ainda por cima com um filme como Blood Diamond feito apenas há dois anos, não me parece nada normal. Vamos rezar pelas suas melhoras. Defiance é um filme para pessoas que sofram de insónias, ou para fãs do Saw que estejam fartos da sua previsibilidade. Uma terrível sobremesa, propícia a indigestões. Cuidado com isso.

Nota Mandylor: 5\10 (para ser simpático)

Costas Mandylor
Ante-Cinema#

3 comentários:

João Ricardo "Blog da Pipoca" disse...

Confesso que não vi nenhum, pura e simplesmente porque não estrearam ainda na Figueira da Foz, onde vivo. E tenho de ser sincero, mesmo sem ver Frost/Nixon, aposto neste filme 'para o Oscar de melhor filme (contra todas as expectativas). No dia 22 logo vejo se acertei.
Sobre Defiance, tenho alguma expectativa em relação ao filme. Não acho que Liev Schreiber seja tão mau como o pintas, mas isso é a minha opinião. Quando o vir, logo vejo.

close-up disse...

já vi os três ;)

belo dia hein? bem passado e bem distribuido penso eu ehe:)

concordo com a hierarquização das notas mas foste mauzinho com o defiance xD não é nenhum classico mas é bem aprazivelzinho...:P

beijinho! :D

candida disse...

só fiz uma vez uma tripla e alguns ( muitas vezes) duplas. é tão bom, sobretudo em dias de chuva, cinzentos e frios.